O essencial

Ambientes que valorizam a funcionalidade, sem abrir mão do conforto e da sofisticação.   

A decoração minimalista há décadas é apreciada por aqueles que incorporam, como estilo de vida, a ideia de que menos é mais. A frase parece velha, mas nunca esteve tão em alta quanto agora, onde a correria do dia a dia, a quantidade de informações que recebemos e a poluição visual a que somos expostos, toma conta de nossas vidas. Por isso, nada melhor do que chegar em casa e encontrar um oásis de tranquilidade, não é mesmo? E é isso que, para muitos, o décor minimalista representa: um refúgio para contemplar a vida e os bons momentos.

Com isso, é possível dizer que o estilo minimalista traz como objetivo a organização dos ambientes, deixando-os livres de itens desnecessários, priorizando móveis funcionais e cores neutras para torná-los tranquilos e confortáveis. E este é um dos pontos que deixa os espaços ainda mais sofisticados. Além disso, se analisarmos bem, esse estilo de decoração vai de encontro ao que muitas técnicas pregam para atingir a qualidade de vida como, por exemplo, o mindfulness aplicado na decoração. Um conceito que busca desenvolver a capacidade de ter atenção plena ao estado presente. E para isso, traz técnicas para deixar os ambientes em harmonia, com a ideia de proporcionar uma vida mais plena e feliz dando prioridade a manter somente os objetos que, além de usuais, lhe tragam felicidade e boas recordações.

Algumas das características mais marcantes desse estilo está a funcionalidade dos espaços, poucos e bons móveis, praticidade e elegância. A paleta de cores, também acompanha o lema do “menos é mais” e geralmente a preferência está em cores de tons pastel, neutros como off white, preto, cinza, o bege e suas variações.

Separamos alguns projetos, opiniões e dicas de profissionais renomados para inspirar você. Confira.

Vanessa Schmidt | Blanc Arquitetura e Decoração

“Vivemos um momento de releitura desse conceito, aliando a praticidade oferecida por ele ao conforto que tanto desejamos. Novos materiais e revestimentos são inseridos nessa ideia, mantendo a essência à que o conceito se propõe: leveza, praticidade e simplicidade. Indo um pouco mais longe, ousaria dizer que o minimalismo é um estilo de vida e que se reflete muito dos tempos atuais, já que a sustentabilidade e a funcionalidade são vertentes dessa tendência. Ficar apenas o essencial, essa é a palavra de ordem do minimalismo!”

 

 

Bruno Moraes e SP Studio

Para o arquiteto Bruno Moares, cada projeto deve ser um relaxo do morador. E neste caso, o minimalismo o não só se aplica à arquitetura, mas também ao estilo de vida dos clientes. “Para criarmos uma surpresa para quem percorre os ambientes, destacamos alguns pontos dos ambientes, como os efeitos de luz e sombra, tetos metálicos flutuantes, paredes de aço corten, entre outras soluções que equilibraram o “clean” de todo minimalismo.”

 

 

 

Carina Korman

“Sim, o minimalismo é uma tendência e eu concordo com o conceito de que menos é mais. No entanto, é importante tomar o cuidado para que o ambiente não fique com a aparência de frio. Para adotar o minimalismo, sugiro poucas e boas peças de decoração, como móveis e objetos. A despeito das cores, é possível utilizar uma variação que respeite um único tom. Essa premissa é importante à medida que o décor minimalista pede um ambiente monocromático”.

 

Sandro Clemes

“Quando vou elaborar um projeto não penso: vai ser minimalista. Acho que o minimalismo que os clientes e observadores identificam no meu trabalho é resultante de valores que persigo, mas sem adotar um estilo minimalista. Acho que cada elemento de um espaço é muito relevante, e que se deve buscar a depuração de forma e função em tudo, das paredes aos adornos. Reconheço a beleza em vãos livres, em eixos visuais alongados. O que muitos olham como um espaço vazio, eu identifico como um espaço cheio de ar, de energia, um lugar para que a vida aconteça, preenchendo-o. E, se cada coisa num ambiente é a síntese de sua funcionalidade e de sua aparência, não precisamos de muitas delas. Mas, o mais importante, entretanto, é que o morador se identifique intimamente com o lugar que chama de lar – seja ele minimalista ou barroco. Adote a estética minimalista se ela fizer sentido para você, caso contrário, não”.

Crédito: Mariana Boro

DICAS

por escritório Icono Projetos e Interiores

Como adotar a decoração minimalista para os ambientes?

Eu diria que a principal palavra para se adotar o minimalismo como estilo de vida é praticar o desapego. Descartar tudo o que não é devidamente essencial.

Utilizar poucos e bem escolhidos móveis, para se ter mais espaços livres para circulação e comodidade no dia a dia. Os móveis escolhidos precisam ser práticos e funcionais, lembrando que devem ser essenciais;

Poucos objetos. Devem ser escolhidos a dedo para não entulhar o ambiente;

Organização – uma casa minimalista deve ser organizada. Preferencialmente deixando os objetos guardados dentro de armários e apenas poucos e importantes à mostra.

Os ambientes devem estar limpos em todos os sentidos, tanto na assepsia quanto de quantidade de objetos.

É possível usar cor na decoração minimalista? Como vocês aconselham o uso da cor?

Geralmente, as cores escolhidas para os móveis e paredes seguem um padrão bem neutro e básico. Usa-se muito os brancos, pretos, azuis escuros, beges, cinzas e as suas nuances. Essas são as cores mais usadas. Não quer dizer que você não possa utilizar uma cor mais quente. Mas se optar por ela, siga os tons terrosos mais fechados.

E os acessórios?

Sempre escolher muito bem os acessórios que for utilizar. Sempre lembrando: poucos e bons. O minimalismo é famoso por focar a beleza em poucos objetos e mobiliários. E os materiais mais utilizados são a madeira, aço e vidro, trazendo a sofisticação ao estilo.

Algum truque para não errar? Para não deixar a casa sem graça e não parecer um vazio.

Minha dica para quem pretende seguir o as premissas do Minimalismo é ficar atento para não descartar tudo e optar por não ter nada em casa. Não é esse o conceito. Valorize um determinado móvel ou objeto. Talvez uma cadeira de design, um objeto ou um quadro preferido ou até mesmo a cadeira de balanço de sua avó, deixando-os num cantinho de destaque, com uma iluminação correta. Isso é tudo!

 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*